quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Democracia


A democracia junto com a liberdade de expressão é linda, mas muito recente, ainda não sabemos o que fazer com ela.
Observo que os grandes coronéis do passado ainda pensam como grandes coronéis, os filhos de barão ainda pensam como filhos de barão, porém há algumas realidades que mudaram; o escravo agora é Livre. E a mulher vota.
Parece piada, mas foi muito triste para mim... Recentemente uma amizade de oito anos foi rompida porque não conseguimos chegar num acordo sobre ele ser eleitor do J.B... Não ele, uma amizade minha tão íntima e tão querida. Eu não conseguia entender por que mais de um terço de um país tão vasto como o nosso elegeria alguém com pensamentos tão retrógrados como J.B. Infelizmente precisei sacrificar uma amizade de longa data para compreender o motivo. Meu ex amigo, inteligente, músico autodidata, filósofo nato vem de uma família evangélica com a educação fundamentada na bíblia cristã e, junto do pacote vem suas crenças, opiniões e conceitos adquiridos durante uma vida inteira baseada na cúpula da igreja no caso dele evangélica, mas poderia ser católica, não faria diferença. Entendi então por que algumas pessoas tão legais e inteligentes como ele, votam numa figura como o J.B. O Deus em que ele acredita é um Deus ditador aonde o bom vai para o céu e o mal para o inferno queimar e pagar pelos seus pecados. -Bandido bom é bandido morto. -Homossexual(ismo) é falta de peia na infância, é falta de Deus, o certo é ser hétero. -Os salvos estão na igreja e seguem as leis bíblicas, os de fora são criaturas pagãs, perdidas. Perguntei sobre a Torá e o Alcorão, mas não importa, não ouve. -O certo é a bíblia, está na bíblia... Mas quem escreveu a bíblia? ...e Jesus ter salvado um bandido no último momento? -No final do mundo (apocalíptico) Jesus não virá como benfeitor, virá como juiz. Como um punisher? -Sim, ao lado de Deus. Sangue no olho o seu Deus. -No final dos tempos os bons serão arrebatados ao céu. Mas que céu? ...os bons ficarão vagando no espaço gravitacional ou há uma elevação cabalística como os judaicos ou herméticos creem? ...para mim faz mais sentido, mas ok, os maus perecerão tipo the walking dead? –Sim tipo the walking dead, a terra será o inferno. Poxa, a terra é tão bonita... Se for para acreditar num Cristo, disse eu, prefiro crer naquele que falava sobre lírios no sermão da montanha... ele não falava em armas de Fogo. -Vai se foder, Tati. E enfim, bloqueada e excluída fui de sua vida bíblica. Cai a máscara não somente dele como um fanático religioso, mas tbm da nossa sociedade atual, e enfatizam-se nele e em tantos outros, as sequelas do que chamamos: “discursos de ódio”.
Fiquei pensando no que é ser bom e no que é ser mau numa espécie social, porém ainda tão selvagem e conflitante como é o ser humano. Fiquei pensando nos motivos que o Japão, embora de forma terrivelmente violenta e não justificável, não permitiu ser catequisado conservando suas culturas e crenças milenares. Fiquei pensando nos cristãos que são assassinados pelo islã, no extermínio aos judeus, na guerra santa, nos crimes em nome da fé, no que se tornou o Irã... E não encontrei em nenhum momento da história, a junção de política/religião ter dado certo.
O budismo, espiritismo, judaísmo, machismo, feminismo, hinduísmo, fascismo, comunismo... são “ismos”, assim como o cristianismo. Os ismos no meio médico são patológicos, daí tantos conceitos como opção sexual mudar de homossexualismo para homossexualidade, heterossexualidade, ou na religião espírita de Kardec e Chico Xavier a espiritualidade... Penso então na Diversidade. Não estou aqui para questionar o Deus de ninguém, mas se for para acreditar num Deus, para mim ele é Diversidade. Questiono que num planeta onde nenhuma folha é igual à outra, por que ainda está intrínseca em nossa cultura que o “normal” é ser branco, hétero e cristão?
Sei tbm que muitas pessoas legais irão votar em uma figura que o plano de governo é: -“Eu vou mudar isso aí com conduta militar e Deus acima de tudo”, porque não aguentam mais serem assaltadas nas ruas, não aguentam mais um país corrupto e acreditam que esse será um voto de protesto. Sinto lhes dizer que o nosso país é violento e corrupto desde o ano mil e quinhentos do calendário cristão em que os europeus embarcaram aqui e abusaram e fecundaram as mulheres indígenas, assassinaram seus maridos e catequisaram seus filhos. Vamos devolver o Brasil para os índios, diz o meme. Que índio? Grande parte dos índios que sobraram estão aqui perto de casa mesmo, nos vilarejos de Paraty Mirim fazendo belos artesanatos e vendendo o que sobrou de sua cultura para os turistas estrangeiros. Seus pequenos, filhos dessa terra, cantam e dançam músicas típicas pedindo “um trocadinho” para comprar danone no mercado. Sinto lhes dizer que o massacre começou quando caravelas portuguesas abordaram à Bahia... E depois de violentarem, assassinarem e usurparem as riquezas culturais, naturais e religiosas desta terra nova, foram ao continente africano violentando, assassinando e usurpando uma das culturas mais belas deste planeta... A África. Os “homens brancos” os trouxeram para as terras tupiniquins acorrentados como escravos e o que aconteceu aos negros nesta e em outras terras foi uma das maiores e vergonhosas barbáries da história da humanidade... Tão terrível quanto o holocausto nazista, mas que infelizmente não tem o mesmo status mor. Não era mais seguro na ditadura militar, sinto lhes dizer... Por livros de histórias e relatos reais, sempre o Brasil foi violento... ah, e sempre foi corrupto. Só que diferente de agora, antes se vc reclamasse lhes torturavam e lhes matavam. O que mudou? Quem mata? Quem rouba? Depende do ângulo em que se enxerga, depende literal e metaforicamente do “seu ponto de vista”. Tive a honra de conversar com algumas pessoas que viveram na época da ditadura e falam que era como viver dentro de “1.984 no livro do George Orwell, vigiados - sem liberdade de ir e vir, sem liberdade de criar, de produzir, de ler, de ser a sua essência e autenticidade. No final de contas o fascismo e o comunismo ditatorial é a mesma coisa. Qual a diferença entre Hitler, Mao Tsé, Gêngis khan, Mussolini, Sadan Hussen ou Stalin? Ou mesmo Nero que torturada cristãos e mandou assassinar um papa? Qual a diferença? Os motivos? No final das contas todos nós, cidadãos, queremos a mesma coisa quando nos dispamos do que nos ensinaram, quando tiramos de cima de nós, de nossos pensamentos condicionados as camadas de resquícios poeirentos políticos e religiosos adquiridos ao longo dos anos. Sobra-nos a mesma coisa... Queremos paz.
Eu sei o que é ser assaltado na rua... uma, duas, três vezes e não aguentar mais; eu sei o quanto dá raiva quando temos que continuar pagando aquele celular que nos roubaram, ou quando temos que tirar todos os documentos novamente porque os ladrões não tiverem nem a decência de levar somente o dinheiro e deixar a carteira. Sei o que é fazer B.O na delegacia num frio domingo à noite e voltar para casa sem nem as chaves para abrir a porta, pois os ladrões levaram a bolsa com tudo dentro. Eu sei que é revoltante. Mas tbm sei que é inaceitável eu desconfiar de um perfil específico quando ele passar perto de mim na calçada, julgando-o e generalizando-o assim como a polícia faz, mas no segundo caso, a polícia humilha, agride e tbm mata. Quantos casos nós sabemos de garotos que vindo da escola ou trabalho, são parados, revistados, agredidos, humilhados e quiçá assassinados pela PM somente por serem negros? Assim como eu temo ser estuprada por um homem branco ou qualquer cor que seja, ao voltar à noite para casa, somente por eu ser mulher. Ou assim como os meus amigos gays estão aterrorizados temendo a agressão de grupos paramilitares que estão aumentando dia após dia no decorrer dessa campanha eleitoral. Uma figura como J.B não vai caçar homossexuais, bater nos negros na rua, tirar o que sobrou das terras dos quilombolas ou retroceder os direitos das mulheres reduzindo-nos inferior ao homem “como ele já citou que somos”, porque ele só espalha esses discursos, há ainda, graças aos céus, uma constituição neste país. Só que ele está jogando sementes podres na população, nas ruas, nas cabeças ainda não formadas dos nossos jovens... e vários desses jovens estão criando grupos, grupos que pensam como ele, e estão germinando essas sementes por aí. Fica a pergunta retórica: O que colheremos no futuro? Ontem fiquei sabendo que pintaram uma suástica nazista no teatro municipal de SP, mas logo a prefeitura tampou. Tbm li sobre as pichações neonazistas racistas e homofóbicas nas paredes da UFRJ. E por aí vai... Todos os dias eu fico sabendo de um homossexual agredido somente por ser homossexual. Um negro agredido apenas por ser negro, assim como uma mulher violentada e agredida apenas por ser mulher. Estamos caminhando para frente ou para trás? é a pergunta. Daí falam que precisamos nos armar para defesa pessoal. Todos? Ou somente o “banco-hétero-cristão” que precisa se armar para a defesa pessoal? Vamos ser todos PM, ok, mas se defender de quem? Do quê? De pessoas que estão da ponte pra cá, ou de pessoas que pensam como ele? As mulheres, quilombolas, negros, gays, tbm precisam se defender do que lhes é tirado, não é mesmo? Aí eu escuto sobre como a U.S.A é segura com os cidadãos armados, da ótima educação, pena de morte funciona e tal.... Sinto lhes dizer que os Estados Unidos é uma fábrica mortal de Psicopatas. Crianças que não veem sentido em viver vão para a escolinha com a arma do pai, matam todos os seus coleguinhas e depois se matam. Ou garotos de nove anos se enforcam no armário com a gravata do pai por conta de bullying sofrido na escola por psicopatinhas. E se a criança já é maior de dezesseis, talvez ela consiga comprar uma arma no Walmart. Melhor, se vc, brasileiro, filho da classe média alta ou acima quer brincar de bangue-bangue, aconselho a comprar um PS4 e jogar RED DEAD REDEMPTION, não causará danos aos outros e nem a si mesmo, descarregando o ódio inerente ao ser humano no jogo é mais seguro para todos. Se o Sr. quer voltar aos tempos de faroeste e sair por aí matando índios, primeiro, já mataram quase todos, segundo, aconselho a locar alguns “Western” antigos muito bons como os do Clint Eastwood por exemplo, pois diferente do sul estadunidense, a civilização já não anda mais por aí como o Texas com uma ou duas armas no coldre. Deixa a barbárie para os senhores da guerra até o dia em que a civilização compreender o real significado da diplomacia.
Alguns brasileiros consideram-se nórdicos, arianos... É isso mesmo, produção? E se fossemos nórdicos não seríamos ainda tão selvagens como somos. Perdão lhes dizer, neonazista das terras tupiniquins --- vc vem de uma miscigenação étnica tão grande, uma mistura de tantas raças que é impossível se considerar um: “raça pura”. Como diz Chico Buarque... “Esse pileque homérico no mundo”. Vcs neonazistas deste país são tantas raças que só tem um nome para designá-lo: Vc é brasileiro! E ser brasileiro pelo menos para mim é tão belo quanto... A nossa, a minha história descendente como brasileira orgulhosa e nata não começou com os meus pais, avós ou bisavós. Começou com os índios desta terra, da américa do sul, norte e central, com os escravos do continente africano e com uma variedade de imigrantes europeus e quiçá orientais que abordaram o Brasil no decorrer dos séculos. Sinto no peito o coração pulsar quando escuto Blues, Soul ou um Batuque de Atabaque, sinto que tbm sou Negra. Sinto nas músicas xamânicas a força dos guerreiros antigos na minha pele... E na minha necessidade interna de aprender o componente ativo das ervas e das plantas sinto cá dentro um sábio Pajé, porque isto é Sabedoria, tirar proveito da natureza sem magoá-la, sem prejudica-la, entendendo que somos parte dela, que tbm a somos. No meu respeito pela mata, pela natureza, pelos animais nativos de onde vivo sinto que tbm sou índia. Sinto no budismo o meu lado oriental e nas Belas Artes o meu lado europeu. Portanto a Diversidade de cultura, miscigenação étnica de cores e raças e costumes e crenças é o país em que vivemos... Num planeta em que nenhuma folha é igual à outra. Por favor, não diga que “normal” é ser branco-hétero-cristão.
Eu particularmente não queria andar armada, armada para defesa pessoal. Mas é hipocrisia não assumir que temo pela minha integridade física e carrego sim uma arma branca na bolsa caso um dia ocorra, pois assumidamente ou não, ser violentada sexualmente ainda é o pesadelo das mulheres... Nosso corpo ainda não nos pertence. Ainda vivemos num país que caminha para a civilização, não somos de fato totalmente civilizados. Isso se prova nas discussões sobre futebol, religião, opção sexual, etnias, partido político e até festas de final de ano. Por tudo discutimos e brigamos, debatemos e nos matamos...
Vivemos separados por uma ponte que parece mais uma faca de dois gumes. De um lado, nós, aqueles que não vão mais levar chicotada no lombo não, no outro lado aqueles que não querem perder seus privilégios. Por isso entendi tbm o motivo de tantas pessoas legais votarem em alguém como J.B. Mas acredito como tantos outros que a única forma de melhorar uma sociedade e seus valores não “morais”, mas Éticos, é através da Educação. Não é hipocrisia quando eu digo que não lamento tanto a perda do meu celular quanto lamento a vida daquele moleque que só enxerga droga e roubo como alternativa de uma ascensão econômica, e que vai morrer daqui um ou dois anos seja pelos seus próprios ou pela PM. Há uma ponte em forma de faca de dois gumes e como diz a música... “Existem homens maus sem alma e sem coração,
Existem homens da lei com determinação,
Mas o momento é de caos porque a população,
Na brincadeira sinistra de polícia e ladrão,
Não sabe ao certo quem é herói ou vilão,
Não sabe ao certo quem vai, quem vem na contramão”.
Acredito como tantos que as melhores armas de todas ainda são os livros. Parece piegas, mas é fato – Veja a Suécia, a Finlândia como exemplos... E nem é em longo prazo...
“Mas ao meu lado há um amigo que eu devo proteger...”. E a mais decente forma de fazer isso, ainda é através do voto.
Chico Buarque tão censurado na época da ditadura militar, com suas canções intrínsecas nos diz muito daquela época. Lembrando estou tbm de uma das primeiras peças que fiz – Os saltimbancos... sempre supus que os saltimbancos fala da revolução de minorias oprimidas que se juntam e se fortalecem. Os personagens depois de se libertarem de seus algozes, ao se encontrarem pelo caminho se juntam e criam um belo grupo musical para seguirem em frente, livres, unidos, fortes, onde cada um com suas características próprias e virtudes peculiares se apoiam e se complementam.
Este desabafo vai para algumas páginas e fóruns de debate, mas sei, entendo e aceito que não vai mudar nada. Talvez sejam ainda necessárias décadas ou séculos, para nossa cultura tão condicionada em conceitos tão primitivos se dissiparem. Somente deixarei aqui o meu amor doído pelo nossa nação tão diversa, tão Bela... Como a personagem do conto “Amor” de Clarice Lispector, que um dia teve uma epifania e entendeu e enxergou o espaço gigantesco ao redor de si, e viu uma natureza tão forte, tão vasta e tão plena que é muito, mas muito maior do que sua imagem no espelho, e vai além do seu próprio ego e aquém dela própria.
Por isso eu não voto em quem ameaça a integridade das pessoas, principalmente as que amo, “pois ao meu lado há um amigo que eu devo proteger”. Não lamento a perda do meu amigo cristão eleitor do J.B tanto quanto eu lamentaria a perda da vida ou de direitos legais de algum amigo que não se encaixa no perfil branco-hétero-cristão, seja por agressão física de algum militar ou paramilitar nas ruas, ou na sua liberdade e ir, vir, existir e ser.
Votar no Haddad será um voto doído para muitos, mas mesmo assim um voto de coragem, um voto de consciência, de humanismo, ou melhor, de humanidade. Muitos falam: -PT é um partido ladrão, vou votar nulo ou em branco... É um direito, mas acredito que acima do direito de votarmos em quem e como queremos, neste momento tão delicado, crucial, crítico, temos um dever. Omitir-se nesta altura seria compactuar. -Mas eu odeio o PT, continuam repetindo. Então dá um google no PSL partido do J.B, aproveita e procura tbm corrupção PSDB, PMDB... A política brasileira está corrupta, não somente um partido. Mas repito, hoje podemos reclamar aberta e livremente, antes nos torturam se reclamássemos.
Nossa democracia conquistada com tanta luta e tão recente ainda, não pode morrer tão cedo... A democracia é uma conquista. O amadurecimento e aperfeiçoamento dela virão com o tempo... Não podemos retroceder...
E no mundo dizem que são tantos,
Saltimbancos somos todos nós.

Tatiane Sales
14/10/2018

domingo, 12 de junho de 2016

Dual

Ela teima em desistir por causa dos defeitos dele, defeitos que porém também há nela...
Mas o sorriso dele ilumina o seu dia, e debaixo da sua teimosia ela sabe que aquele sorriso que irradia o seu dia é ela mesma na percepção dele ao vê-la. É ela refletida...

Tati Sales

sábado, 11 de junho de 2016

Violentada pelos 33

É sério mesmo que tem gente que acha que por a menina ouvir funk, mereceu ser violentada por 33 homens? Então, quem vai em balada sertaneja tem que ser atropelada por uma carroça de bois, quem ouve axé tem que ser afogada dentro de uma garrafa, quem curte metal tem que queimar nas chamas do inferno.
A questão pedagógica da banalização sexual do funk carioca e erotização infantil que é um grande problema, não é o caso nesse caso, isso é outra história; pelo que entendi de tudo que li sobre o caso, não foi um gang CONSENTIDO (e se fosse seria problema das escolhas sexuais dela e ninguém tem nada a ver com isso, pois um adolescente, seja garoto ou garota tem direito à loucura e descobertas sim... qual o problema? Ela não pode por ser mulher? De contraponto acho interessante que se fosse uma patricinha rica no campus da Puc participando de orgias na república, os rapazes iam falar que ela é mente aberta, pra frente e tal... mas como trata-se de uma garota pobre da favela carioca, é puta?)
MAS o pior e mais horrendo dessa história é que ela NÃO CONSENTIU... foi violada, e ainda não consigo acreditar que tem pessoas que defendem esses que a agrediram e a culpam por isso...

P.S: Péssimo gosto musical não é crime... estupro é.

Tatiane Sales

sexta-feira, 10 de junho de 2016

O pior dos homens

Tudo começou quando ele foi uma vítima,
Coisa boba, nasceu sem os pais, cresceu na infâmia
Da solidão, pedindo restos de pão e estima...
Só um tropeço no começo da infância.

Só empurravam e o chutavam pelo chão
Das calçadas encharcadas de choro e chuva.
Coisa boba, frio passa todos, diz-me que não?
Qual a diferença se ele usava ou não uma blusa?

A lei, a sorte, o frio e o sol nascem pra todos!
Errado é ele que sem pensar cheirava cola.
Desculpa dava: “que é pra escapar, tio”, que caiam os tolos!
Comigo não cola, fugir da fome? Que vá pra escola!

Nada de esmola, se você dá vai comprar droga.
Superação é inato ao homem, é só querer.
Tenho dó não, se é negro e pobre, que jogue bola!
Ganha milhão e é idolatrado até morrer.

Tem oito anos? Dez talvez? Já faz um tempo...
Que não o vejo chorar em meios aos carros,
Pedindo, tímido, na camiseta alguns remendos,
E nos lábios: “tio, me arruma ao menos uns trocados?”.

Meses atrás o vi na igreja, estava orando...
Algo como: “mundo é duro, alegro não, mundo é escuro”,
Mais tarde tropecei num infante desmaiando,
Tem jeito não, lixo sem fé, é o fim do mundo!

Era o moleque em lágrima e barro, está drogado,
Maldito infante bem no meio do caminho...!
E já estressado e atrasado pro trabalho,
Chutei o vagabundo com sua cruz, coroa e espinho...

Cola e coca não passa a dor, agora é crack,
Mas não é fácil bancar o vício com esmola.
“Não sou playboy, não esquento frio com conhaque”,
A primeira foi a tia crente com a sacola...

Passa a carteira, filha da puta, vou te furar!
Era pra isso que ele andava com uma faca?
Bandido bom é bandido morto, vou te contar!
Mas deixa estar, polícia resolve, só basta uma bala!

Minha profecia estava errada, cá estou eu...
Com uma arma apontada em minha cabeça.
Se me conheço vou reagir. O quê?! Só vejo breu
E o meu sangue cobrindo ele, talvez o aqueça...

Tatiane Sales

domingo, 4 de outubro de 2015

A vida é uma farsa, não eu...


    A poesia é como a verdade. Quando expressada e tirada do peito, é libertadora... É como um grito!

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Esqueça

Neste caso, linda flôr, esqueça...  mesmo não sabendo o que fazer com esse esqueça, esqueça.
Se você não recebe o carinho em troca dos seus sentimentos tão singelos, definitivamente não é para essa pessoa que você deve dispor seus carinhos... Tem quem os mereça.
Dê a outro o seu belo texto cheio de sentimentos,
Dê ternura a quem a mereça...

Esqueça.


Tati Sales

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Coisas simples

Ensina-me como não deixar minhas samambaias morrerem, ou me passe uma boa receita de bolo de chocolate.
Ensina-me a mistura de um novo tom aloirado para os cabelos, ou me mostre como fazer bordados de crochê na colcha de cama.
Ensina-me como sentir prazer nas coisas simples cotidianas da vida...


Tati Sales

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Cortes de traição













(Artisticamente lanço-me involuntária
Viajando para a perdição do nunca.
Afasto-te, lanço-te e bato-te na cara
Contra as portas de minhas conjecturas... )

Não me permito sofrer? Talvez sim, e arder,
Nestas chamas de raiva desesperada e insana!
Desfalecendo a paixão que vi por ti nascer,
Da qual mordais sua faca decepou-me a entranha.

Precisavas agudamente cortar-me o corpo inteiro?

O que fiz eu pra que sua faca me perfurasse as ancas?
Sem piedade em segredo traçaste o vil roteiro
De esquartejar-me em pedaços com sua arma branca!

Larga-a! Deixe cair tal lâmina que me riscas em sangue

Imaginavas que eu gostaria de sentir tal dor?
Assista meus nus pedaços em avermelhado exangue...
Pensaste que eu fosse forte a não gritar de horror?

Por que cometeste o crime no quarto em que me tiveste?

Por que cortaste a garganta da voz que te sussurrou...?
Por que sujou a vida que poderíamos ter, se houvesse?
Pelo prazer de me trair e em me enganar...  matou-me...

Tatiane Sales

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Pornographie












Ela é a escória. Suja... E devassa.
Contaminando a pureza por onde passa.
Nojenta de ócio, vício e sexo,
Repleta de línguas no seu seio lésbico,

Num beco do desabitado prédio,

Na Rua das Surubas ela vence o tédio.
Faminta por orgasmos ela suga e lambe,
Mas hoje somente com um gang bang.

Os gozos escorrendo pelo corpo exangue,

Escorre pela boca e pela pele o sangue,
Dos tapas e mordidas dos estupradores
Que autorizados por ela a quebrantou de dores,

A Ninfa arranca a roupa, quente em ardores,

Sem alma, só o corpo machucado horrores.
Adentram muitos pênis pelos orifícios,
Vagina, ânus, boca, abismos e ouvidos,

Ela geme, blasfema, maldizendo a libido,

Devastam-na e abusam-na como a um cabrito.
Come-a, fode-a, cospe nela e depois a larga,
Sozinha, impura, corrompida de sofrimento e tara.

Tentando esquecer que existe e se limitando a nada,

Na vala, bêbada, infame, nua e violentada,
Chora apenas uma criança com a força que lhe resta,
Treze, ou quatorze anos? Menina, mulher funesta!

Ela odeia, ofende a todos, pois perdida cai no fel do mundo,

Buscando alívio nos antros e nos becos mais que imundos,
Tudo p’ra ter um orgasmo, prazer real de alguns segundos,
Onde enfim esquece a dor, a tristeza e os medos mais profundos.

T.Sales

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Eia, vejamos

Lendo uma interessante discussão sobre o assunto "publicidade dos 50 tons de cinza no Brasil", sinceramente eu penso aqui com meus botões que se Simone de Beauvoir, as filósofas queimadas na fogueira da inquisição, as grandes feministas francesas de écriture féminine como Julia Kristeva, as heroínas americanas dos meados de 70 na luta maravilhosa de Women's Liberation, se Clarice Lispector e tantas outras grandes mulheres da história – heroínas e heroicas que lutaram pela emancipação, valorização e igualdade da mulher na sociedade, e, libertação psicoemocional da posse e submissão machista em que a mulher era (im)posta e submetida como somente “um algo” sem personalidade, sem inteligência e sem compreensão da realidade; se essas mulheres lessem esse lixo de livro, acho que elas estariam neste momento se revirando em seus caixões! Assim como a arte contemporânea se desvaloriza em sentido de riqueza e valores de expressão, a literatura contemporânea também se iguala; quem já leu Marcel Proust ou Sthendhal sabe que esse tipo de literatura citado acima é um escarro grosseiro na sensibilidade de quem quer ler algo que agrega ao feminino, e que também é um escarro no intelectual e na alma de um bom leitor.
Isso na minha humilde opinião feminista e literária, claro...
Preocupa-me tantas adolescentes em fase de transformação venerando esse livro.


Tatiane Sales – Sobre os 50 tons de Cinza.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Desespero

Eu queria ser Nada.
Ultimamente vivo pensando na morte.
Um simples abraço afetuoso pode me ajudar.
Um simples "ficará tudo bem" pode me salvar.
Daqui três dias novamente nada mudará?

T.Sales

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Visão de um quarto em natureza morta

Flores arroxeadas
Folhas secas esbranquiçadas
Boneca encarquilhada
Poemas indefinidos.
Paredes descascadas
Roupas desgastadas
Fadas perturbadas
Coração partido.
Ilusão dilacerada
Livros empoeirados
Janelas embaçadas
Planos destruídos.
Cama desarrumada
Desacompanhada
Sem ninguém ao lado
Espaço vazio...
Há um anjo assustado
E no espelho quebrado
Um rosto pálido
Que perdeu o brio.
Se movimento entorta
Tudo em minha volta
Som desafinado
Sombra enlouquecida.
Desconfigurado
O que a tristeza molda
São desfiguradas
Face encanecida
Posições erradas
Cores ofuscadas
Que o passado toca
Como carta perdida...
Em meu olhar nublado
Tudo é desbotado
Formas desmontadas
Fotos esquecidas...
Quadros sós, calados
Tortos, pendurados
Natureza morta
Devolve-me a vida...?
Tatiane Sales

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Antiga

Tentando sobreviver numa era contemporânea
Um apólogo à boneca de porcelana
Do ano de 1.820 no atual tempo
Junto a livros empoeirados, tem movimento.

Amando... nobre ela canta, sofre e dança
Como a rosa azul de Novalis, rara
Branca a delicada face laqueada
Esmaltada a tez, perdendo a nuança...

Menina velha de palidez etérea
Recitando Shakespeare, solitária espera
Esquecida numa biblioteca clássica
Deserta e impoluta conservada há décadas!

A relíquia de louça guardada na estante
Ouvindo Mozart ou o flautista de Hamelin
Vinda da poesia de Lorca de las horas incertas
E apaixonada por Hamlet, o seu ideal de amante...

O sopro de alma nessa moça de pano
Que quando só, levanta a bailar chorando
Não está na loucura, na imaginação da artista
Que cria a boneca, mas também dá a vida...!

Ela existe, triste, respira e palpita
Pois tento dár ânimo à própria poetisa
A boneca sou eu no tempo perdida
Que em álacres anos já é tão antiga...

Tatiane Sales

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

A ilusão de um ventilador (Título de referência ao filme – O Palhaço)

Eis-me sozinha agora num quarto vago, nu e sem par.
O espaço vasto nulo na cama é um infinito lugar.
Quero esquecer tudo o que é, mas que nunca aconteceu.
Preciso vencer a melancolia que me mergulhou no breu...

Quero deixá-lo partir sem nunca tê-lo tido.
Esquecer que sei (eu sei), sem nunca percebido.
Quero curar tal sentimento que não ousei saber-lhe o nome.
Não notar que estás tão perto, porém eternamente ao longe.

Quero fechar os meus olhos e não ver-te nunca mais,
Mas sua presença é tão bela quanto as rosas nos quintais...
Choro como uma menina que não sabe o que é viver?
Choro um desejo lindo, profundo e tanto é o meu querer.

Choro uma saudade estranha que nunca me é suprida.
É querer curar a doença que me dá sentido à vida.
Minhas lágrimas são puras quanto o anjo que me habita.
Sinto pelas vãs palavras que o meu tolo lado recita.

Quero tanto que me enxergues como uma luz d’estrela guia.
Quero ser seu sol na noite e uma lua ao meio dia.
Permita que eu te afirme um segredo revelado...
Que o meu coração é frágil, por favor, tome cuidado...!

Já era pra eu ter tirado, te arrancado da memória,
Mas parece que tu és parte já assídua em minha história.
Preciso dormir pra sonhar, sonhar ao menos, meu querido.
Só que o meu sono é o anjo brando que mandei dormir contigo.

E já que o meu sono manso foi voando pra sua paz?
Eu fico aqui lamentando, soluçando injustos ais.
Pois era aqui bem ao perto que deveria o seu corpo estar.
Sentindo o meu coração intensamente disparar.

Estar em meus lençóis brancos e descobrindo tudo em mim...
Roçando sua pele quente em minhas vestes de cetim.
Se soubesses que tu tens as mesmas contradições que as minhas.
Se notasses que tuas dores eram as mesmas que eu tinha.

Mas te vi descobrindo novas alegrias e clivais lúdicas.
Vi no seu descaso olhar o qual tupias cenas impudicas.
Se, perdi a ideologia mais linda, linda, que eu tinha?
Se, se foi a esperança última dos retornos sons que eu ouvia?

Pudera eu arrancar fora do meu peito a sangue o coração!
Pudera eu enfeitar com um laço e te entregar ele com a mão!
O meu recuo cru e insano é o medo fraco de ser magoada.
De me jogar novamente cega na desventura malograda.

Mas tudo o que tenho agora é a minha torpe solidão.
Sei que dormes com outra, outras, acompanhado em seu colchão.
Devolva o meu anjo puro que eu mandei dormir contigo!
Era pra eu deixar guardado no desalento em mim contido.

Se eu recusei foi porque eu iria sofrer carente como um cão...
As suas chamadas, seu afeto, seu olhar, sua atenção.
O que me resta é viver agora dia-a-dia a dor vazia...
E te esquecer, (vou te esquecer) e esquecer-me da alegria...

Que é estar junto com um jovem que eu já tive idolatria.
Que tive vontade de passar todos os dias da minha vida.
Ficou hoje tão óbvio que o sentimento não é recíproco.
A partir de agora eu juro, só te chamarei de amigo...

Tatiane Sales

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Solitude (saudade da mãe)

images (19)
É domingo à noite já caminhando para segunda-feira.
Há algo mais melancólico do que este momento?
É triste a insônia dessa transição.
Chego à conclusão de que mais um dia passou sem sentido algum, todavia cada letra a mais nesta página preenche-me um pouco o vazio. Penso numa imaginária e arcaica folha de papel em branco a ser preenchida manualmente pelos mais nobres sentimentos e, no entanto, eu apenas teclo o nada. Teclo sem sabor, sem esforço, sem vontade. Se eu escrever: tudo é nada, sobressai-se a confirmação do nada. Se eu escrever: nada é tudo, ainda sobressai-se a confirmação do nada. Então compreendi a teoria do nada de Paul Sartre numa síntese momentânea de ócio! Se tudo é nada, para quê então? Viver é inútil? Não quando se ama e se é amado dizem os pares. No amor encontram o sentido em viver, mas isso ainda existe ou o amor tornou-se piegas?

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Desterro

Sina: Passeando pela estrada vazia de terra?
Moça: Já distante do quintal de outrora...

Medo: Viajando sem dormir na noite fria aqui fora?
Moça: Sigo firme e o destino me leva...

Receio: Donzela, par'onde vai agora nesta remota esfera?
Moça: Sem olhar para trás vou-m’embora!

Esperança: O pio suave dos pássaros te voando consolam?
Moça: Sim... O que os meus dias futuros reservam.

Tatiane Sales

sábado, 26 de maio de 2012

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Quando era para gritar, calei?

Por que sou tão racional? Maldita razão!
Pára de pensar, pois és inteira coração...

quinta-feira, 17 de maio de 2012

(Como dizia o sertanejo...)

Não tenho nada pra dizer, só o silêncio vai falar por mim...

quarta-feira, 16 de maio de 2012

E pra não chorar eu só vou gostar de quem gosta de mim.

Sou uma moça Shakespeariana ao extremo e preciso trabalhar isso em mim, pois às vezes não me consolo em deparar no espelho com uma mulher ingênua de 29 anos, enfim... Honesta demais, bondosa demais, sensível demais. Ou eu deixo de ser sensível assim neste mundo fugaz, ou não sei, realmente não sei o que será de mim neste planeta voraz.


sexta-feira, 4 de maio de 2012

Rascunhos

O avesso, do avesso, do avesso…

terça-feira, 3 de abril de 2012

Florence + The Machine - Shake It Out



Liberte-se

Remorsos se acumulam como velhos amigos
Aqui para reviver seus momentos mais sombrios
Não vejo uma saída, não vejo uma saída
E todos os monstros saem para brincar

E cada demônio quer seu pedaço de carne
Mas eu gosto de guardar algumas coisas pra mim
Gosto de deixar minhas questões importantes afogadas
É sempre mais escuro antes do amanhecer

E eu fui tola e cega
Nunca consigo deixar o passado pra trás
Não vejo uma saída, não vejo uma saída
Estou sempre carregando esse peso nas costas

E as perguntas dele, tamanho ruído de sofrimento
Essa noite eu enterrarei esse peso na terra
Pois gosto de deixar minhas questões importantes afogadas
É sempre mais escuro antes do amanhecer

Liberte-se, liberte-se

segunda-feira, 19 de março de 2012

domingo, 8 de janeiro de 2012

Desejos da flor

Dispa-me o manto sagrado,
Entrego-te um corpo de amor,
Sedento dum lânguido cálido
Fogo em vertigem torpor.

Beba mais um gole de vinho,
E beija-me os lábios frios,
Conduza-me pelos caminhos,
Do seu corpo sedento e febril.

Abraça-me com seus braços alados,
Conforta-me envolvente e macio,
Aperta-me com desejo e cuidado,
Transporta-me para o instinto do cio.

Preencha-me os vácuos vazios,
Olha-me com olhar sedutor,
Sinta-me como ao tocar um lírio,
Devasta-me como um desflorador...

Tatiane Sales

sábado, 31 de dezembro de 2011

Óbvia concepção para um feliz ano novo

Sabe por que é tão difícil ser feliz, moça?
Por que é difícil mudar...
Feliz ano novo...! (?)
Um brinde às escolhas, às ações e à mudança!

Não mudemos apenas os nossos calendários, mudemo-nos.
E só assim serás feliz, mais feliz...


(Ao reflexo de mim mesma) à Tatiane Sales, dela, para ela.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

A palhaça...

Que saudade é essa, meu Deus?
Quando aprenderei a ser menos sincera?
Estou aprendendo nesta vida de quimeras,
Que a palhaça do amor sempre sou eu...

T. Sales
(...)